2011 - Inverno de 2011

Do projeto "Inverno de 2011" ramificam dois objectos autônomos: uma peça e um video dança. A peça estreou no Festival da Fábrica (Porto) e o Filme no Festival Demolarea (Moldávia) 

Comecei a criar em 2006 e, do conjunto do meu trabalho, a abordagem autobiográfica tem sido o denominador comum: o material que levo para estúdio surge essencialmente de questões relacionadas com a minha memória e identidade. À exploração performativa tenho aliado outros meios de expressão, como o vídeo a fotografia, que fazem com que a dança deixe de ser particularmente importante, ou presente. O frequente uso de objectos, significantes para mim, faz também com que o resultado dos meus trabalhos se aproxime mais da instalação performativa. Em 2010, em jeito de balanço, criei o espectáculo "Tarde de Mais Mariana 2006-2010", que consistiu na recriação de todo o material que trabalhei durante esses cinco anos. O encerrar de um ciclo? A minha mais recente performance, "Inverno de 2011", surge como uma tentativa de romper com a tendência anterior de colocar a dança num segundo plano. Interessava-me a ideia de desenvolver um "objecto performativo", onde o meu corpo (dança) fosse a principal matéria. Nas primeiras sessões de trabalho, tive como motivação a frase da bailarina e coreógrafa Martha Graham, "The body says what words can not". A minha intenção era testar esta afirmação de forma a descobrir pistas para posteriormente desenvolver o meu trabalho. No decorrer das improvisações percebi que tentava constantemente controlar algo que me parecia incontrolável, o que me estava a suscitar inúmeras questões e entraves. Após um período de pausa, decidi de novo enfrentar a afirmação de Martha Graham, acabando por torná-la no ponto fulcral da peça: iria trabalhar sobre um território onde a poética da dança se tornasse a única solução, adquirindo o corpo a possibilidade de dizer algo que a palavra não pudesse dizer. A peça começou então a compor-se. A partir da experimentação e da exploração de movimentos, do registo, da repetição e do acaso começa a surgir uma narrativa. Tornou-se claro para mim que esta teria que reflectir as memórias que guardo sobre as minhas primeiras experiências com a dança, precisamente! Nesta performance, para além de autor sou narrador e sujeito. Selecciono, interpreto e arquivo dados da minha memória. Refiro-me essencialmente às motivações e ambições de quando, aos doze anos, iniciei a minha formação em ballet. "Inverno de 2011" regista um tempo, uma etapa: o repensar ou um reinventar da minha relação com a dança.

A performance by and with Flávio Rodrigues

Co-production: Festival da Fábrica/ IYME

Supports: Companhia Olga Roriz, CFContagiarte.

Thanks to: Renata Portas, Cláudia Santos, Carla Valquaresma, Victor Hugo Pontes & Joclecio Azevedo.Agenda: 

- 11 a 15 de Abril Residência artística em estúdios da Companhia Olga Roriz, Lisboa;

- 15 de Abril (18h00) apresentação informal em Estúdios da Companhia Olga Roriz, Lisboa. Mais Informação AQUI;

- Apresentação pública, 5 de Maio às 21h30 em Teatro Helena Sã e Costa inserido no Festival da Fábrica (Porto);

- 18 de Dezembro às 21h30, apresentação pública inserido na abertura do LUGAR INSTÁVEL (Edifício do Teatro de campo Alegre) (Companhia instável, Porto);


A peça:


O filme: