2020 - Encômio | Aos ossos, à bravura e ao sono dos cetáceos




(INFORMAÇÃO TEMPORÁRIA)

“O ócio não pode existir onde não se sabe o que ele é” 
Sabastian de Grazia

Encômio | Aos ossos, à bravura e ao sono dos cetáceos é um projeto experimental de carácter performativo e expositivo cénico.

Para a concretização desta obra, divido o tempo do processo de criação em duas fases distintas e complementares. A primeira fase acontece numa fábrica de marcenaria/carpintaria, onde serão arquitetadas e elaboradas uma série de esculturas cénicas, tendo como material primário e elementar a madeira.
Na segunda fase do processo, num estúdio de dança, as esculturas assumem-se como matéria medular a uma pesquisa partilhada com o corpo. 

As esculturas são presenças da criação em si e por si, emergem com base em projecções e subjetivações ao próprio trabalho, em construir árdua e minuciosamente cada parte de um todo. O detalhe, o peso, a dimensão são propósitos à própria condição do trabalhador, do fazedor, de quem constrói, de quem e para quem se trabalhou. São também símbolos de poder, símbolos de chantagem, de dor, de cansaço, de prazer, também do louvor, da fé, do ócio e do ritual. 

Entre as esculturas e o performer, sugere-se um dueto de relações possíveis e estratégicas, tais como o confronto, o salvamento, a sobrevivência, a adaptação, a urgência e ou o amor. Juntos, são transportados para uma dimensão silenciosa, árida, quente e opressiva. 

Cada ação é uma dança em homenagem ao corpo e às suas capacidades do fazer acontecer, incansavelmente, mais e mais uma vez. 


Um projeto de e com Flávio Rodrigues