2020 - Encômio | Aos ossos, à bravura e ao sono dos cetáceos



(INFORMAÇÃO TEMPORÁRIA)

"O mal que apenas um homem sentia torna-se peste coletiva. Na nossa provação diária, a revolta desempenha o mesmo papel que o cogito na ordem do pensamento: ela é a primeira evidência. Mas essa evidência tira o indivíduo de sua solidão. Ela é um território comum que fundamenta o primeiro valor dos homens. Eu me revolto, logo existimos” Albert Camus 


Encômio | Aos ossos, à bravura e ao sono dos cetáceos é um projeto experimental e de carácter performativo. Um solo.

O projeto acontece maioritariamente, durante o processo de criação, numa oficina de carpintaria, tornando a madeira o material primordial para a construção de uma série de objetos que visam ser a base da conexão entre corpo/espaço/tempo/público.

Os objetos são projecções e subjetivações ao próprio trabalho, em construir árdua e minuciosamente - cada um desses mesmos objetos. O detalhe, o peso, a dimensão são metáforas à condição de trabalhador, do fazedor – aqui referenciando também a noção de escravo.

Cada objeto é simbolo de poder e homenagem a um corpo dedicado, de múltiplos sentidos e forças.
O performer é bailarino, assumindo a ação de transformação. Do acontecer e do acontecimento. Do fim.


Um projeto de e com Flávio Rodrigues