2017 - Efígie | Princípios

Projeto criado e apresentado no Armazém 22 (Vila Nova de Gaia), Mala Voadora (Porto) e Festival ContraDança (Covilhã).

O corpo, construtor do movimento e do espaço cénico, viaja através de uma floresta (panorama / orto utópico) referente a uma não-civilização, à neutralidade, ao niilismo, e à negação de um sistema capitalista. Vagueia por uma memória primordial, na possibilidade de manipular o tempo, recuá-lo, recuperá-lo. Este corpo, a que chamo agora transeunte, encontra-se também, a desaparecer na escuridão, no abismo, na queda, na ameaça do desaparecimento, tal como a acção (performance). Quando a acção termina ou se dissimula, o corpo deixa de ser performático?
Como continuar a caminhar por uma floresta continuamente ameaçada? O que é a natureza hoje como metáfora para um “antes de”, intocado, original? Quais as condições para a descoberta de tais lugares, e que fantasmas - medos - escondem?

Uma criação de e com Flávio Rodrigues


Vídeo Teaser 

Video excertos