Efígie | Dilúvio das águas mortas

Performance a partir do mesmo conceito explorado no solo (Efígie). 

Para esta acção performativa considero várias noções do corpo, tais como o corpo poluído, derretido, estragado, cediço (…). Em Efígie, a exploração de som enquanto matéria narrativa percorre estados perceptivos que se vão metamorfoseando por entre a derrota e a esperança. A insistência como resistência, por entre espectros e espíritos que se transformam e convergem para o desconhecido.

Performance de Flávio Rodrigues
Com Carolina Macedo

Inserido no programa "E agora..." com curadoria de Susana Chioca.



















PT
E agora ...?
Tomando o conceito chave para 2017 da Saco Azul, abraça-se o momento social, sexual, cultural, político, identitário... através do corpo.
O eu e o mundo, o Porto e o mundo, ou o mundo dentro...
Requerem-se novos corpos.
Corpos pensantes que reflitam e se manisfestem.
Corpos ausentes, corpos estranhos, corpos inerentes, corpos liminais que se fundem no tempo que é o hoje.
Susana Chiocca faz o desafio a Cristina Mateus, Flávio Rodrigues e Marta Ângela Vuduvum, que apresentam a dia 8 de Abril o resultado performativo da reflexão artística de cada um.


EN
And now...?
Taking the key concept of Saco Azul for 2017, the social, sexual, identity, cultural and politic moment is embraced through the body.
The self and the world, Porto and the world, or the world within.
New bodies are required.
Thinking bodies that reflect and create dialogue.
Absent bodies, strange bodies, inherent bodies, liminar bodies that merge in into the time of today.
Susana Chiocca challenges Cristina Mateus, Flávio Rodrigues and Marta Ângela Vuduvum to present on April 8th the performative result of their artistic reflection.