2017 - Efígie


“The earth is the very quintessence of the human condition” (Hannah Arendt).

PT
Dou inicio a este projecto com a concepção de um arquivo sonoro, videográfico e fotográfico de animais e plantas extintas, lugares mortos e paisagens obliteradas que resultam numa “biblioteca do esquecimento”, funcionando como um conjunto de estímulos para a criação de um corpo, de cores, texturas e sons.

O corpo, construtor do movimento e do espaço cénico, viaja através de uma floresta (panorama / orto utópico) referente a uma não-civilização, à neutralidade, ao niilismo, e à negação de um sistema capitalista. Vagueia por uma memória primordial, na possibilidade de manipular o tempo, recuá-lo, recuperá-lo. Este corpo, a que chamo agora transeunte, encontra-se também, a desaparecer na escuridão, no abismo, na queda, na ameaça do desaparecimento, tal como a acção (performance). Quando a acção termina ou se dissimula, o corpo deixa de ser performático? 

Como continuar a caminhar por uma floresta continuamente ameaçada? O que é a natureza hoje como metáfora para um “antes de”, intocado, original? Quais as condições para a descoberta de tais lugares, e que fantasmas - medos - escondem?

Efígie resulta em 5 diferentes objectos de apresentação - autónomos - mas entre si têm como objectivo a continuidade. 


EN
This project beginns with the conception and development of an archive of sounds, video and images from plants,animals that vanished,dead places , forgotten landscapes. All combined they build a library of forgetfulness,working as a stimulus package for the creation of a body ,colours, textures, sounds.

The body: constructor of movement and space travels trough a florest (a panorama / an utopic ortho) :a non- civilization, neutrality,niihilism the absolution and denial of capitalism as a system of living. This – body- that i now call a passenger is fading in to the darkness, the abyss, the fall, threathning to disappear, as action itself ceases to exist.

When an action is finished or dissimulated, does the body is no longer a medium for performance?
How does one continues to walk trough a forest that is in constant menace?' What is nature today? Can we think about her as a metaphor for something before, a priori, untouched, original? What are the conditions for discovering such places, and their ghosts,and what fear lies overt here?

Effigy is a serie of different scenic objects- independent-.but that contain the idea of continuity among them.


#1 Efígie | Princípios  - Armazém 22 (Vila Nova de Gaia) e Festival ContraDança (Covilhã);

#2 Efígie | Dilúvio das águas mortas - Inserido no Programa "E agora?" com curadoria de Susana Chioca em Maus Hábitos, Porto

#3 Efígie | Chorus Landscape - Festival Dias Da Dança (DDD out, Corpo + Cidade - Porto, Matozinhos);

#4
Efígie | Natureza Morta - Mira Artes Performativas, Quintas Nómadas com curadoria de Hugo Cruz (Porto);

#5 Efígie | Livro de Artista



A project by and with Flávio Rodrigues

Artistic team: Telma João Santos (Documentação), Carolina Macedo (Performer e apoio na criação), Bruno Senune (Performer e acompanhamento artístico), David Pinto (apoio no figurino e imagem promocional), Rui Marques (Performer), Xana Novais (Performer), Joana Castro (Performer), Daniela Castro (Performer), Daniel Pinheiro (Performer), Marta Ramos (Performer), Carolina Correia (Performer), Jessica Rodrigues (Performer), Andreia Rodrigues (Performer), Francisca Vella (Performer), Mariana Madail (Performer), Filipe Pereira (Performer), André Santos (Performer), Sofia Calvin (Performer), Rui Santos (Performer), Bruna Carvalho (Performer), Hugo Pereira (Performer), Jessica Duncalf (Performer), Nikita Shanguim (Performer), Ricardo Augusto (Performer), Andreia Ferreira (Performer);

Associated partners: Teatro de Ferro (Porto), Armazém22 (Vila Nova de Gaia), MalaVoadora.Porto (Porto), DevirCapa (Algarve), ContraDança (Covilhã), Maus Hábitos / Associação Saco Azul (Porto), (Festival DDD - Biblioteca Municipal do Porto (Porto) e Biblioteca Municipal de Matosinhos (Matosinhos), Balleteatro, Mira Artes Performativas (Porto);

🔙