2016 - AIM

"The art of storytelling is reaching its end because the epic side of truth, wisdom, is dying out." (Walter Benjamin)


“O verdadeiro génesis não está no começo, mas no fim” (Ernst Bloch).

PT
AIM é uma performance a solo, onde a cenografia, a sonoplastia e a coreografia são construídas como metáforas para o seu desaparecimento. O Medo, o Fim e a Extinção são explorados a partir do conflito e da ameaça em direcção ao vazio. 
Proponho para este projecto a exploração do conflito e da cominação para com o espaço teatral e para com o corpo como protagonista da acção.
A luta do intérprete no esvaziamento da sua existência. 
O palco é visto em AIM como uma maquete do universo. Um modelo do que somos, do mundo que habitamos e dos espaços e estados que permeamos. É nesse lugar, representativo da utopia, que se geram os confrontos situados num contexto de celebração (ritual).
Os materiais a testar são essencialmente primários. Quero explorá-los com o objectivo de encontrar a força, a vulnerabilidade, a efemeridade ou a impermanência de cada elemento. A areia como arquétipo, que gera uma paisagem onde estão presentes a sensação de abismo e, assim, a criação de um mapa vertiginoso.
AIM é a metáfora do tempo, de um corpo e de um espaço teatral actual, em conflito, em guerra. O confronto como gerador de desaparecimento, e este como fim último. A extinção de um lugar, que é também o do teatro, visto como lugar de representação de si.
No limiar da extinção, o que resta? O que se propaga? O que substitui? O que sobrevive?


EN
AIM is a solo performance, where the set, sound and choreography are built as metaphors for their disappearance. Fear, End and Extinction are explored from conflict and threat towards the void. The performer struggles, by emptying his own existence. The stage is seen in AIM as a model of the universe. A model of what we are, the world we inhabit and spaces and states we permeate. It is in this place, representative of utopia, that confronts are generated, situated in a context of celebration (ritual). I use and tested essentially and primary materials. I want to exploit them in order to find the strength, vulnerability, transience or impermanence of each element. AIM is the metaphor of time, of a body and a current theater space. In conflict, in war. The confrontation as a generator of disappearance, and this one as the ultimate. On the edge of extinction, what is left? What is spread? What replaces? What survives?


Scenic creation, Sonora and choreographic: Flávio Rodrigues
Artistic Counseling | Mentor: Charlotte Lagido
Collaboration in costumes: David Pinto
Makeup artist: André Santos
Mask: Dylan Silva
Consulting & Documentation: Telma João Santos
Scene photograph: Rita de Lille
Creation Assistance: Filipa Duarte

Residences and support in creation: Centro de Candoso | CCVF. Unstable stages | Unstable company. EIRA | Festival complicity 2016. Conjoining the Studio 2016: A time for research by Cristina P. Piglet for unstable company.
Presentations and residencies: Eira | Lugar à dança (Lisboa). Festival Cumplicidades (Lisboa). Centro cultural Candoso CCC / CCVF (Guimarães). Sala Café Concerto do Teatro Campo Alegre (Porto). Rua das Gaivotas 6 (Lisboa). Espaço do Tempo (Montemor-o-novo).

Projeto financiado pelo apoio à criação de Fundação Calouste Gulbenkian
➜ Revista VISÃO, Artigo / Press
 Documentação de Telma João Santos / Documentation  

Teaser #1


Teaser #2

Teaser #3



Auto-retrato

Video completo | Full video



PT Residência de criação e pesquisa em Espaço do Tempo (Montemor-o-Novo)
Ainda sobre o projecto AIM, em Julho de 2016 no Espaço do Tempo com as performers (Carolina Macedo, Filipa Duarte e Telma João Santos) decidi testar novos materiais e novas abordagens aos conceitos explorados para este solo.
Realizei um video-resumo (documental) sobre e na residência.

EN
Research and creation residency at Espaço do Tempo (Montemor-o-Novo)

Still on the AIM project, in July 2016 in Espaço do tempo with the performers (Carolina Macedo, Filipa Duarte and Telma João Santos) I decided to test new materials and new approaches to the concepts exploited for the solo.
I designed a video-summary (documentary) on and in the residence.


🔙