ENTRUDO

ENTRUDO nasce de um desafio lançado pela PortoLazer ao Balleteatro, e que consequentemente mo propôs: colaborar com o grupo de percussão Batucada Radical, sediado no Porto, e com direcção de Jorge Porto, no sentido de criar um momento de intervenção pública conjunto. 
Sou fascinado por manifestações de cariz tradicional, pelas raízes etnográficas da dança e da música nas suas diversas abordagens, tendo - principalmente nos últimos anos - desenvolvido nos meus projectos coreográficos um trabalho de recolha, re-interpretação e re-mixagem das mesmas num contexto globalizado(r), enquanto aglomerado de referências e mapeamento de novos territórios.
Em ENTRUDO interessa-me olhar a rua como espaço de manifesto conjunto a partir de vários corpos/vozes individuais; gerar assim um novo corpo a partir da multiplicidade de corpos envolvidos. Esta é uma performance de intervenção pacífica, mas onde a violência se vai apoderando do corpo dos intérpretes e do corpo dos sons enquanto elemento caracterizador e catalisador de dois lugares importantes na exploração coreográfica e cénica: 
ENTRUDO é assim uma performance, um manifesto enquanto metáfora do eterno ricochetear entre a falha/fragilidade e a resistência/insistência que nos caracteriza e que caracteriza o estado de arte actual. 

"Like such miraculously resilient characters of the saturday morning cartoons, Hegel's protagonists always reassemble themselves, prepare a new scene, enter the stage armed with a new set of ontological insights—and fail again." Judith Butler


Composição cénica e coreográfica de Flávio Rodrigues
Composição musical e co-criação de Jorge Porto (Batucada Radical)
Interpretação de António Teixeira, Sebastião Beki, Iuri Costa e Rui Machado
Produção executiva de Tiago Oliveira
Produção de Balleteatro e Porto Lazer
Agradecimentos a Telma João Santos, Bruno Senune & Camila Neves

TEASER