VERSE$








PT
A minha relação com o som é cada vez mais frequente e pessoal, contudo puramente poética e ocasional. Não tendo qualquer formação académica neste sentido, deixo-me levar pelo meu instinto de criação e estética. A sedução em criar paisagens sonoras é para mim a possibilidade de inventar lugares: interessa-me esta conexão - o som como lugar em potência. 

Dou início a este projecto com a recolha de uma série de material sonoro que fui criando (experimentando) desde 2011, e que, por diversas razões, foram colocados de parte, mas sem terem ido parar ao caixote do lixo virtual (todas as minhas experiências neste contexto são realizadas no meu computador, recorrendo a softwares próprios para o efeito). Os ficheiros, neste caso músicas soltas, mantiveram-se. Se por um lado não lhes via um uso concreto, por outro lado permaneciam (quase que) em espera. Num domingo como qualquer outro, resolvi fazer uma limpeza à memória do meu computador, e juntar todos esses ficheiros num só. Esta peça única, que intitulei de VERSE$, foi ganhando especificidade e o meu interesse em aprofundá-la cresceu. 

VERSE$ é em modo de resumo, um bailado. A solo. O meu papel consiste em criar um paralelismo entre a composição sonora e a composição coreográfica. 

Esta peça musical, VERSE$, conclui-se como reflexo de uma série de temáticas que têm sido recorrentes nos meus projectos, particularmente por conter samples e captações sonoras, exploradas no decorrer do processo de criação e experimentação de performances como Inverno (2011), CATÁLOGO (2008/ 2012), RARA (2013), ou NIL-CITY (2013). 

Após a conclusão da peça musical, a minha primeira vontade foi oferecer-lhe um lugar autónomo, disponibilizando-a gratuitamente on-line. Paralelamente, surge também a vontade de a experienciar em estúdio, atribuindo-lhe uma fisicalidade, um corpo. 

Após várias experiências neste sentido, concluo que esta nova presença torna-se essencial e parte integrante - passa a interessar-me que para VERSE$ exista um corpo que habite o lugar criado pela paisagem sonora. 

Propostas como executar, acumular, improvisar, estruturar, mapear, anotar, transformar e interpretar são alguns dos termos e ideias recorrentes em estúdio - a dança como receptáculo de todas estas propostas. 

No que diz respeito à coreografia, interessa-me, como para NIL-CITY (2013) e Sequence (2008), a criação de uma partitura: um mapa. 

Importante também referir que para VERSE$, como performance, interessa-me que seja um medley de gestos e posturas diluídas, roubados a uma cultura quase pop, quase excessiva, quase barroca, quase real de tão falsa: os dinossauros 3d, a ficção extra-científica, o Peter Pan acompanhado dos seus meninos perdidos e punks, os unicórnios, os gangues modernos, o hip hop luxuoso, o twerk unissexo, o mix-up étnico, a derrota free-spirit, os blogues íntimos, a internet em geral (que no "maximalismo" visual perdeu a ideia de autor) são algumas das propostas para tornar o corpo de VERSE$ vivo.


EN
My relationship with sound, though casual and purely poetic, is becoming more frequent and more personal. By not having had academic training in this area, I let myself be carried by my instinct of creation and aesthetics. The seduction in creating soundscapes is, for me, the possibility of inventing places: I am interested in this connection – the sound as a place in potency. 

I started this project by gathering a series of sounds that I have been creating (experimenting with) since 2011, and that, for various reasons, were put aside, but not to end up in the virtual recycling bin (all my experiments in this context were created on the computer, resorting to special software for that effect). The files, in this case loose tracks, remained. Although, I had not given them a use they remained (almost as if) in waiting. On a Sunday like any other, I decided to clean the memory of my computer, and compile these files into one. 

This unique piece, that I called VERSE$, started  specificity and my interest to go deeper into it grew. VERSE$ is, in short, a dance show. A solo. My role is to create a parallel between the sound composition and the choreographic composition. 

This musical piece, VERSE$, concludes as a reflection of a series of themes that have been recurrent in my projects, particularly those containing samples and sound captations, explored during the course of the process of creation and esperimentation of performance, such as Inverno (2011), CATÁLOGO (2008/ 2012), RARA (2013), ou NIL-CITY (2013). 

After finishing the musical piece, my first impulse was to offer it an autonomous place, by making it available for free online. At the same time, a will to experiment it in studio appears, giving it physicality, a body. 

After several experiments, I came to the conclusion that this new presence becomes essential and integral– it becomes interesting to me that there is a body for VERSE$ that inhabits the place created by the soundscape. 

Proposals like executing, accumulating, improvising, structuring, mapping, noting, transforming and interpreting are some of the terms and ideas recurrent in studio – the dance as a receptacle of all this proposals. 

With regard to the choreography, what interests me is the creation of a musical score: a map, this was explored in two of pieces: NIL-CITY (2013), and Sequence (2008). 

It is also important to mention that for VERSE$, as a performance, I am interested in it becoming a medley of diluted gestures and postures, stolen from quasi pop culture, almost excessive, almost baroque, almost real in its fakeness: the 3D dinosaurs, hyperbolised science-fiction, Peter Pan accompanied by lost children and punks, unicorns, modern gangs, luxury hip hop, the unisex twerk, the ethnic mix-up, the free spirit defeat, the intimate blogs, the internet in general (that in the visual "maximalism" has lost the idea of author) are some of the proposals for the body of VERSE$ to become alive.

FOTOS | PHOTOS
VIDEO PROMOTIONAL (Fragments)
VIDEO TEASER


CREDITS
Artistic director and Performance by Flávio Rodrigues
Projecto financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian 


Other related projects
2014 - SUB40 (Variation$ of VERSE$)
2014 - BEVY VERSE$ (Balleteatro | FCT)