Still Golden 2011

A minha anterior performance intitulada de “Inverno de 2011” , surge de repensar a minha relação com a dança partindo de documentação biográfica. O objectivo focou-se no desenvolvimento de um projecto performativo cuja linguagem usa o corpo (dança) como matéria primordial. Interessado em voltar a explorar esta matéria, recomeço um novo trabalho, Still golden. 

Still Golden é uma criação que tem origem em dois lugares distintos mas de grande carga simbólica para mim. Um deles é o espaço de trabalho do meu avô e o outro é um campo em cinzas. 

Recentemente tive a oportunidade de visitar o espaço de trabalho do meu falecido avô. Em pequeno sempre me foi negado o acesso, os únicos contactos que tive foram as poucas visitas feitas às escondidas. Visitas rápidas e secretas que ao longo da minha vida serviram de matéria para efabular sobre as potencialidades desse espaço. Agora que tenho acesso livre, decidi documentá-lo através de fotografia, som e vídeo. 
O encontro com o outro lugar foi um pouco ocasional. No decurso de uma viagem parei perto de um campo recentemente ardido. Decidi registá-lo ao mesmo tempo em que pensava na forma como, através da dança, poderia inserir o meu corpo nessa paisagem. Outras questões surgiram: como poderia estando lá, tornar-me imperceptível? De que forma o corpo iria mudar? E o espaço, que paisagem seria essa? 

No trabalho em estúdio comecei por recriar ambos os espaços usando diferentes materiais e as várias captações sonoras. Estes objetos cénicos ou esculturas sonoras, como lhes chamo, possibilitaram diferentes perspectivas de observação, percepção e de interação física. Durante o processo, passei a integrar o corpo e a eliminar alguns dos materiais, tornando o corpo protagonista, referência e matriz organizadora. 
Embora estes dois lugares poucas relações tenham entre si, com ambos estabeleci, pelos mais variados motivos, relações empáticas que acredito complementares neste trabalho. Através do corpo procuro correspondências, quer seja a partir de gestos, do movimento ou da imobilidade, do aleatório, do residual, do som... 

Still golden assume assim o corpo como paisagem. Uma paisagem em falência num corpo que parece quase sempre estar a chegar ao fim ou que se desprende da sua história.

Projecto inserido no programa "Obras para corpos revistos e actualizados" com curadoria de Joclécio Azevedo (Núcleo de Experimentação coreográfica) apresentado no âmbito do Manobras, no Porto.

Imagens/Images

  © Direitos Reservados, Paulo Pimenta




Still Golden - a soundtrack by Flávio Rodrigues
"Still golden - a soundtrack by Flávio Rodrigues" é um registo (excerto) do som manipulado ao vivo na performance (2011).

Os materiais usados para as captações sonoras são sacos de plástico, gravações ambiente, vidro e voz.

Para ouvir  AQUI