2011 - Still Golden


A minha anterior performance intitulada de “Inverno de 2011” , surge de repensar a minha relação com a dança partindo de documentação biográfica. O objectivo focou-se no desenvolvimento de um projecto performativo cuja linguagem usa o corpo (dança) como matéria primordial. Interessado em voltar a explorar esta matéria, recomeço um novo trabalho, Still golden. 

Still Golden é uma criação que tem origem em dois lugares distintos mas de grande carga simbólica para mim. Um deles é o espaço de trabalho do meu avô e o outro é um campo em cinzas. 

Recentemente tive a oportunidade de visitar o espaço de trabalho do meu falecido avô. Em pequeno sempre me foi negado o acesso, os únicos contactos que tive foram as poucas visitas feitas às escondidas. Visitas rápidas e secretas que ao longo da minha vida serviram de matéria para efabular sobre as potencialidades desse espaço. Agora que tenho acesso livre, decidi documentá-lo através de fotografia, som e vídeo. 
O encontro com o outro lugar foi um pouco ocasional. No decurso de uma viagem parei perto de um campo recentemente ardido. Decidi registá-lo ao mesmo tempo em que pensava na forma como, através da dança, poderia inserir o meu corpo nessa paisagem. Outras questões surgiram: como poderia estando lá, tornar-me imperceptível? De que forma o corpo iria mudar? E o espaço, que paisagem seria essa? 

No trabalho em estúdio comecei por recriar ambos os espaços usando diferentes materiais e as várias captações sonoras. Estes objetos cénicos ou esculturas sonoras, como lhes chamo, possibilitaram diferentes perspectivas de observação, percepção e de interação física. Durante o processo, passei a integrar o corpo e a eliminar alguns dos materiais, tornando o corpo protagonista, referência e matriz organizadora. 
Embora estes dois lugares poucas relações tenham entre si, com ambos estabeleci, pelos mais variados motivos, relações empáticas que acredito complementares neste trabalho. Através do corpo procuro correspondências, quer seja a partir de gestos, do movimento ou da imobilidade, do aleatório, do residual, do som... 

Still golden assume assim o corpo como paisagem. Uma paisagem em falência num corpo que parece quase sempre estar a chegar ao fim ou que se desprende da sua história.

Projecto inserido no programa "Obras para corpos revistos e actualizados" com curadoria de Joclécio Azevedo (Núcleo de Experimentação coreográfica) apresentado no âmbito do Manobras, no Porto.


EN
My previous performance entitled "Inverno de 2011" arises from re-thinking my relationship with the dance emerging from some biographical documentation. The aim focused on developing a performive project whose language uses the body (dance) as primordial matter. Interested in returning to explore this matter, I start a new project, Still Golden.

Still Golden is a creation that originates in two distinct places, both very symbolic for me. One of them is my grandfather's workspace and the other is a field in ashes.

I recently had the opportunity to visit my late grandfather's workspace. I've always been denied access, the only contacts I've had were the few visits that I made secreatly. Quick and secret visits that throughout my life have served as a matter for efabular the potential of this space. Now that I have free access, I decided to document it through photography, sound and video.
The encounter with the other place was a little casual. In the course of a trip I stopped near a newly burned field. I decided to register while thinking how could I insert my body into this landscape. Other questions arose: How could I be there, become imperceptible? How would the body change? And the space, what scenery would that be?

At work in the studio I began by recreating both spaces using different materials and the various sound captures. These scenic objects or sound sculptures, as I call them, have enabled different perspectives of observation, perception and physical interaction. During the process, I went to integrate the body and eliminate some of the materials, making the body protagonist, reference and organizing matrix.

(...)

Still golden assumes the body as landscape. A landscape in bankruptcy in a body that seems to be coming to an end or unfolds from his history.

Project inserted in the program "Obra para corpos revistos e atualizados" curated by Joclécio Azevedo (Núcleo de Experimentação Coreográfica) presented in the scope of "Manobras no Porto"


Project by and with Flávio Rodrigues
Special participation: Rui Marques


Imagens/Images © Direitos Reservados, Paulo Pimenta


Vídeo (Paisagem sonora) | Video (Soundtrack)  

🔙