2010 - Até ao fim / Until the end


Nos meus anteriores trabalhos reconheço questões que vão persistindo e que me acompanham quando inicio cada novo processo criativo. De alguma forma, o próximo sucede o anterior, e é neste sucedâneo que emerge uma problematização de indiciar o concluir de uma peça. Ao abordar esta questão com distância, reflicto sobre estratégias para nomear a encenação do momento como final.
No cinema, somos sobrecarregados por vezes pelo modo como o último quadro de um filme carrega o peso de todo o procedente narrativo. Esse momento acciona uma relação quase incontornável no espectador.
Independentemente de qualquer composição cinematográfica, debruço-me unicamente sobre obras que reúnem nas ultimas imagens o poder de se excederem e de firmar nessa duração. Aqui, concentro o meu interesse nesta revelação sensorial que acumulada afirma-se a toda a obra.
O projecto Until the End propõe como realizar a encenação do momento que se anuncia terminado, assente numa estrutura sobre a percepção do fim. No âmbito deste contexto, incito o questionar para um sucessivo desfecho em cada momento coreográfico. Inscrevo e faço surgir gradualmente novos fechos para permitir que a peça se desenvolva na duração e se prolongue numa pesquisa ininterrupta, persistente, trágica e expressionista para solver todos os actos performativos.
Until the end é a origem para uma não significação de fim, aliás, para não ocultar o instante que proporcionou, através de soluções e estratégias.

O projecto resultou em uma performance de palco (performas (Aveiro) + Festival de Dança de Almada (Lisboa) + Festival Epipiderme (Lisboa) e 2 performances no espaço público (Festival Imaginarius (Santa Maria da Feira) e Festival SET (Porto)

EN
In my previous work I recognise issues that will persist and accompany me when I start every new creative process. Somehow, the next succeeds the previous one, and it is in this context that emerges a problematization from indicting the conclusion of a play. When addressing this issue with distance, I inflict upon strategies to appoint the stage of the moment as a final.
In cinema, we are overwhelmed sometimes by the way the last picture of a film carries the weight of all the narrative proceeding. This moment triggers an almost inevitable relationship on the viewer.
Regardless of any cinematic composition, it falls me solely on works that gather in the last images the power to exceed and to firm that duration. Here, I concentrate my interest in this sensory revelation that accumulated is affirmed to all the work.
The Until the end project proposes how to perform the stage of the moment that it is announced, based on a structure with the perception of an end. Under this context, I urge to question for a successive outcome at every choreographic moment. I subscribe and gradually make new closures to allow the part to develop in duration and extend in an uninterrupted, persistent, tragic and expressionist research to solve all the performative acts.
Until the end is the source for a non-mean end, in fact, not to conceal the instant that was provided, through solutions and strategies.

The project resulted in a stage performance (Performas (Aveiro) + Almada Dance Festival (Lisbon) + Festival Epipiderme (Lisbon) and 2 performances in the Public Space (Festival Imaginarius (Santa Maria da Feira) and festival SET (Porto)

A project by and with Flávio Rodrigues
Support in playwright: Micaela Maia
Artistic Counseling: Jorge Gonçalves
Photography and video: Tiago Oliveira
Production: Obra Madrasta 

Festival Epipiderme - Braço de Prata (Lisboa)

Performas (Aveiro)  + Festival internacional de dança de Almada 


Festival Imaginarius (Santa Maria da Feira)

Festival SET (ESMAE) (Porto)



Vídeo resumo